Iguatemi

Iguatemi

sábado, 31 de dezembro de 2011

2012 já chegou


Já estamos nas primeiras horas de 2012 respirando o ar de um novo ano. Nos despedimos há pouco de 2011, com saudades de um ano que nos permitiu muitas alegrias.
É claro que tivemos problemas, dificuldades... Tudo superável!
A vitória maior foi chegarmos até aqui juntos, unidos, felizes. 
Sabemos que não será sempre assim, dia virá em que lamentaremos a ausência de um ente querido ou não estaremos mais presente. Não seremos mais os mesmos, pois, a saudade passará a ser uma companheira sempre presente em nossas vidas.
Comemoremos, pois, todos os momentos e agradeçamos a Deus por nos permitir essa grandiosa experiência do conviver em família.

Feliz 2012!

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Ano Novo: Que seja feliz, quem souber o que é o bem!


É isso aí! Já começamos a cantar a canção de todo final de ano: Adeus, ano velho! Feliz Ano Novo! Que tudo se realize no ano que vai nascer. Muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender.

Todo ano entoamos esse hino às vésperas do Ano Novo, muitos até comemoram a morte do ano que passou. Cumprimos o ritual da roupa nova, do branco ou dourado, das oferendas e festejamos a vinda do Ano Novo cheios de esperanças pelo que ele possa nos trazer.

Todo ano é assim!

No dia seguinte, 1º dia do ano, é que damos conta de que nada mudou. Muda a página do calendário, mas o dia continua como um dia qualquer, nada de novo!

E as nossas esperanças? Nossos sonhos?

Lembro da música: Então, é Natal! E o que você fez? O ano termina e começa outra vez.

Lembra dos planos do ano passado? O que o ano trouxe?

Renovamos nossas esperanças e entregamos ao ano que começa, para no final estarmos nos despedindo do ano dizendo: Graças a Deus que esse ano terminou. Não nos damos conta de que o ano novo é apenas e, tão somente, 360 dias de oportunidades para realizarmos nossos sonhos, nossos desejos. Então, mãos à obra! Escreva seu sonho e trabalhe para realizá-lo. Assim, no final do ano você se despedirá com saudades de um ano maravilhoso, cheio de realizações, de concretizações de sonhos, pois você aproveitou muito bem todas as oportunidades, lutou a cada dia para que o seu ano fosse o melhor.
Faça um balanço honesto e verá que o ano foi generoso. Se não foi melhor, foi porque não cuidamos bem dos nossos projetos; engavetamos e distraídos, fomos em busca do que não era tão importante para nós.
Feliz Ano Novo!

Comentário escrito por Dora Rodrigues dia 30 de dezembro de 2010

domingo, 25 de dezembro de 2011

Natal em família


Neste Natal queremos agradecer a Deus por nos permitir comemorar em família esta magna data. Agradecidos estamos pela saúde, paz e harmonia que reina entre nós.

Em nossa confraternização de Natal, lembramos a vinda do seu filho querido, trazendo a mensagem do amor maior.

Nossa mensagem de Natal


Fotos em destaque na nossa confraternização
Minhas filhas: Andréia, Gelma, Alessandra e Aleuda
Meus netos: Mirela, Arthur, Glauber, Bruna, Alicia, Emannuele e Giovana
Nesta foto estão ausente: Sabrina e Lucas 
Esperamos refazer a foto na virada do ano com a presença dos dois.
Meus genros: Francisco Brandão, Emmanuel e Jorge André

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Fui criada no tempo em que palmada educava


Foi aprovado dia 14 de dezembro, na Câmara dos Deputados, o projeto de lei que protege a criança e o adolescente de receber qualquer punição por castigos físicos, as famosas palmadas. 


Concordo plenamente com a lei no que diz respeito à proteção contra castigos físicos, nunca fui a favor. Mas, reconheço que nenhum pai ou mãe utiliza a palmada com o propósito de infligir dor ou sofrimento a seus filhos. 


Fui criada no tempo da palmatória, um pedaço de pau pesado, apropriado para dar “bolos” nas mãos das crianças. A palmatória era utilizada não só pelos pais, mas, também, pelos professores. A cada erro na tabuada, uma sequencia de bolos de palmatória, o que fazia com que fizéssemos de tudo para decorar a tabuada, para não sermos submetidos a tal castigo. A cada bolo no colega, a angústia da nossa vez fazia com que o suor escorresse e, muitas vezes, vi colegas menores fazer xixi nas calças por receio de errar. E tudo isso, acontecia na escola.


Em casa, existia até um lugar onde a palmatória era guardada. Lembro-me de ter escondido, certa vez a famosa palmatória, na tentativa de fugir do castigo, mas, não deu resultado, pois o cinturão foi utilizado imediatamente. E meu pai ainda dizia: “provou do meu pirão, tem que provar do meu cinturão”. Ou seja, enquanto estivéssemos sob sua guarda, devíamos obediência e uma vez a disciplina não sendo cumprida, o cinturão logo aparecia em cena. 


Apesar de ter vivenciado tais experiências, não guardo nenhum trauma dessa época. Creio, inclusive, que foi graças a atuação exigente de nossos pais que nenhum de nós trilhou caminhos que trouxesse problemas graves a si mesmo ou à sociedade.


Nunca gostei de bater em minhas filhas, mas reconheço que, em algumas situações foram necessárias algumas palmadas e castigos. E não era por falta de aviso, muitas vezes alertava: “eu não quero bater em vocês e vocês ficam pedindo: mamãe, bata em mim”.


Mudam os costumes, mudam as formas de educar. Observo que as crianças de hoje não estão dispostas a ouvir os argumentos dos pais e a obedecer, no primeiro momento, o que fez com que os pais se utilizassem da famosa contagem: 1, 2, 3... E o que se observa é que, a criança só obedece quando chega ao final da contagem. Muitos pais, até já aumentaram a numeração, porque ao chegar ao número final, à criança ainda não obedece. Em seguida, vêm à famosa palmada que põe um fim a situação. 


“Há espíritos que precisam de pão, há espíritos que precisam de pau”, diz um amigo orador espírita. 


Ainda vai levar um tempo para que apenas o diálogo resolva as situações da educação de nossos filhos. Após um, dois ou mais diálogos sobre a mesma situação, sem resultado, uma palmada costuma acalmar a indisciplina dos nossos filhos. Sem exagero, claro.


Veja na íntegra, entrevista do Dr. Içami Tiba a revista Plenitude.


“O GOVERNO DEU UMA PALMADA NOS PAIS”

O conselho federal de Psicologia citou Içami Tiba como o terceiro Psiquiatra mais admirado por psicólogos brasileiros. Sigmund Freud está em 1º lugar e Gustav Jung, em 2º. Referencia em todo o país e no exterior, Tiba criou a Teoria Integração Relacional e seus vídeos educativos atingiram mais de 13.000 cópias.
São mais de 3.400 palestras realizadas em empresas nacionais e multinacionais, escolas, associações, condomínios e instituições no Brasil e no exterior. O Psiquiatra, que já atendeu mais de 77 mil adolescentes e suas famílias desde 1968, tem 28 livros publicados, que já venderam mais de 4 milhões de exemplares. “Quem ama, educa”, por exemplo, foi campeão absoluto de vendas em 2003, segundo a revista “Veja”.
Içami Tiba falou a revista “Plenitude” sobre a “Lei da Palmada”, seus benefícios, malefícios e ajustes.
Plenitude – O projeto de lei que proíbe palmadas já foi aprovado pela comissão de Educação da câmara e segue para o senado. O que o Senhor acha da criação da lei?
TIBA – Acho um absurdo, mas outra vez se está atropelando etapas. No amor dadivoso você ama seu filho de paixão independente do que ele tenha feito. Existe o amor que ensina quando ele não sabe alguma coisa, mas existe uma terceira fase, que é o amor que exige que Ele cumpra o que aprendeu. Sou contra a palmada e a aplicação da lei dessa maneira.
Plenitude – A lei proíbe qualquer tipo de castigo físico e a proposta prevê mudança do novo Código Civil para eliminar o dispositivo que não pune pais, responsáveis e educadores pelas palmadas. Em sua opinião, isso pode alguma forma gerar malícia nos filhos no sentido de prejudicar os próprios pais ao se verem livres de uma punição?
TIBA – Isso vai gerar mais delinqüência. Qualquer governo que tenha uma lei mais forte do que a que os pais aplicam desorganiza a cabeça dos filhos. O governo ensinou uma forma errada de mostrar poder. Na minha visão, o governo deu uma palmada nos pais sem ensinar qual o caminho que eles poderiam ter tomado.
Plenitude – O artigo 395 do Código Civil diz que só poderá perder o pátrio poder o pai, a mãe ou o responsável que castigar crianças e adolescentes “imoderadamente”. Como Psiquiatra, de que maneira o Senhor acha que os filhos devem proceder?

TIBA – O que acho adequado que os filhos aprendem são as regras e que se não as cumprirem sofrerão conseqüências. Estas têm a ver com o erro praticado e não com a punição ou o castigo. Quando um filho picha um orelhão, o pai é que tem que pagar. O que um filho vai aprender se o pai é quem paga uma cesta básica, por exemplo? No início da obrigatoriedade do cinto de segurança, todo mundo achava besteira. Hoje, o povo tem consciência e usa o cinto não por ter medo das multas, mas porque quer se prevenir de acidentes.
Plenitude – Muitos pais já estão se sentindo afrontados com a nova lei. Como o Senhor pode orientar os responsáveis e educadores sobre a melhor forma de tratar seus filhos daqui para frente?
TIBA – Estamos falando de uma pequena porcentagem de pessoas que surram os filhos. Palmada e surra têm espíritos diferentes. A impressão que dá é que quem fez a lei a fez com um atropelo danado, sem pensar no aspecto educativo.
Plenitude - O Estatuto estabelece que os responsáveis poderão ser encaminhados a programa oficial de promoção da família, receber tratamento psicológico ou psiquiátrico, ter de freqüentar cursos em programa de orientação e ser obrigados a encaminhar seus filhos a tratamento psicológico. O Senhor conhece algum caso de família que tenha participado desse programa?
TIBA – Não. Hoje atendo adultos a quem os pais deixaram de estabelecer limites, deram-lhes de tudo e eles se tornaram tiranos. Não porque os pais os agrediam, mas por excesso de liberdade. Acostumaram-se a achar que tudo é para eles e podem fazer de tudo.
Plenitude – Como funciona a Teoria Integração Relacional?
TIBA – Funciona da seguinte maneira; “Eu tenho que ser o primeiro.” Se eu quero que meu filho tenha limite, eu preciso estabelecer um limite para mim. Eu não sou todo-poderoso.
Plenitude – Em principio, se entende a lei que proíbe agressão física, mas, verbalmente, o dano pode ser ainda pior. Em sua opinião, a lei também deveria abordar a agressão verbal?
TIBA – Palavras têm pouco alcance, porque, se palavras adiantassem, não existiriam tantos filhos ruins. O que os pais falam de bom para os filhos é muito maior.
Plenitude – Para pais que só conhecem as palmadas, não seria necessário que fossem orientados com novas alternativas de educar?

TIBA – O argumentado que esses pais usam é: ‘se foi bom para mim, não há de ser ruim para os meus filhos. Eu apanhei e estou aqui. ’ Ora, se em vez de ter apanhado tivesse sido instruído, e mais bem administrada à energia que ele tinha de aprontar coisas erradas, quem sabe não estaria bem melhor? Não podemos ficar repetindo um caminho que fizemos no passado quando já existem tantos recursos hoje.
Plenitude – O Senhor acha que a Lei vai ser cumprida ou vai ser mais uma a ficar só no papel?
TIBA – É mais uma lei para se ganhar dinheiro com extorsões. Na minha opinião, está atropelando etapas da educação.
Plenitude – A lei pode ser interpretada como invasão de privacidade, já que cada família tem uma cultura e uma ética próprias?
TIBA – Eu acho que estão invadindo, sim, porque o governo não dá nada de cobra tudo. A turma não reclama de pagar impostos se tem não reclama de pagar impostos se tem os benefícios que os mesmos poderiam trazer. É como pais egoístas que não dão nada para seus filhos e querem deles mais do que podem dar.
Plenitude – Na sua opinião, a conscientização e uma campanha maciça sobre educação sem violência não gerariam mais eficácia?
TIBA – Com certeza. Fazer uma campanha de educação maciça e espalhar por todos os meios de comunicação, além de fazer com que essa campanha ganhe corpo para que não haja mais violência dentro de casa. Depois que entendem o que é certo ou errado, os pais terão opção; de outra forma, fica tudo doloso. Se os pais forem motivados, vão se realizar cada vez que deixarem de bater nos filhos; se forem ordenados, vão se sentir frustrados cada vez que tiverem vontade de bater.
Plenitude – De que forma o Senhor orienta hoje os pais a recuperarem a autoridade com os filhos?

TIBA – Esse respeito vem daquilo que os pais fazem aos filhos. Estes gostam dos pais, mas não respeitam porque os pais se submetem aos desejos deles. Se os pais querem recuperar a autoridade, não adianta falar: ‘Me respeite porque sou seu pai. ’ É pior, é assumir que não há respeito. Comece a estabelecer ordens que seu filho tenha que cumprir. Assim, ele vai assumir sua posição de filho.
Plenitude – No Brasil, o que poderia ser feito como medida imediata contra a violência em família?
TIBA - Um projeto amplo de reeducação familiar. Isso que faço assim meio que Dom Quixote. Se o governo fizesse um trabalho durante uns três anos – digo três anos porque é um bom prazo -, as pessoas sentiriam o beneficio e ficariam motivadas. Se fizer só um mês não adianta, tem que pegar uma fase da vida deles.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Sabrina, minha neta bailarina


Encantadora a apresentação de minha neta Sabrina, neste sábado e domingo, no encerramento da XIV Mostra SESC de Dança Clássica com o tema "A Bela Adormecida".

Essa menina nasceu para brilhar!

Muito disciplinada, sensível e com um enorme coração. Tem brilho exterior e interior, que é o mais importante.

Parabéns, Sabrina! Você é muito amada por todos.

Vovó te ama!

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Então, é Natal!

Fazendo uma comparação entre o natal da minha infância e a dos meus netos, percebo que muita coisa mudou. O que ainda permanece é a crença no Papai Noel, pelo menos até certa idade. 

Lembro que a espera do Natal era mais longa porque, naquela época, presente só o de Papai Noel.

Era tudo muito mágico! Amanhecia o dia de natal e todas as crianças corriam pra calçada a exibir seus presentes. Mas, algo que não dava pra entender, acontecia, Papai Noel era muito generoso com algumas crianças e com outras, não. 

Àquela época, éramos três irmãs (as duas mais novas não eram nascidas) e, curiosamente, Papai Noel, numa noite de natal, presenteou minhas duas irmãs com bonecas e a mim com um carrinho. Meu pai, tentando me consolar disse que ele devia ter se equivocado ao ver meu cabelo curto e pensou que eu fosse homem. Aquilo me deixou muito triste, porque não podia aceitar que ele se enganasse daquela forma. Ele devia conhecer todas as crianças e eu não conhecia ninguém que tivesse passado pelo mesmo constrangimento. Pior foi saber, algum tempo depois, quem de verdade era o Papai Noel. 

Na atualidade, tudo é muito farto. A criança é presenteada quase que todos os dias e a novidade dura pouco. São tantos os presentes que a criança recebe na noite de natal que é comum serem largados, logo em seguida. 

Foram poucos os presentes de natal que recebi, mas, lembro-me de uma boneca que ganhei, dessas que ainda hoje existem: olhos e boca pintados, pernas e braços sem movimentos e cabelos de lã. O melhor brinquedo que ganhei em toda minha infância. Por ocasião das férias em casa de meu avô, no interior, ao pegar o trem de volta para casa me dei conta que tinha deixado a boneca em casa de uma prima, que jamais tinha ganhado uma boneca como aquela. Chorei a viagem inteira e muitas noites, ao lembrar, da minha boneca. 

Certa noite, conversando com minha netinha que brincava com muitas das suas bonecas Barbie, contei para ela essa estória e ela, inocentemente, disse:

“Você era pobrezinha, vó?”

Eu e minha neta Alicia

3 de dezembro de 2011, por ocasião da colação de grau da minha neta Alicia.





sábado, 19 de novembro de 2011

A dor da perda e a busca pelo consolo e esclarecimento

É muito comum, após a perda de um familiar, a visita ao centro espírita em busca de informação sobre o estado em que ele possa se encontrar no mundo espiritual. O mais interessante é que, a maioria dessas pessoas é educada numa religião que nega a vida após a morte, e que prega que com a morte tudo se acaba. Apesar de seguidores da religião, não aceitam que tudo termine no túmulo e saem em busca de informações que lhes traga esperança e consolo.

Recentemente, conversamos com uma mãe aflita pela perda de sua filha de 15 anos, vitimada por um câncer. Ela dizia não entender porque sua filha tinha sofrido tanto, sendo uma jovem tão boa, que nenhum mal fez a ninguém. Por que Deus a tirou daquela forma? Disse ter ido à procura do sacerdote na esperança de que ele a esclarecesse e confortasse e ouviu dele que, “Deus quis assim”. E ela se perguntava: por que Ele quis assim, justo com minha filha que nunca fez mal a ninguém?

Compreensível, o desespero daquela mãe que trazia tantos questionamentos, a ponto de duvidar da bondade de Deus. Como poderia, Ele, ser justo quando cometia tanta injustiça com sua filha e sua família?

Começamos a confortá-la, esclarecendo que sua filha continuava viva e agora bem mais feliz, sem as dores da matéria. Que estava amparada por familiares e benfeitores espirituais, recebendo todos os cuidados necessários a sua condição de recém-desencarnada. Falamos um pouco da misericórdia de Deus que nos ampara sempre, mas que, não interfere no nosso livre arbítrio no momento em que cometemos atos ilícitos que gerarão sofrimento ao espírito em novas reencarnações. Da mesma forma, não interfere em nossas escolhas, quando entendemos que estamos aptos a resgatar algum débito diante da lei. Daí muitas vezes não compreendermos a causa dos nossos sofrimentos, por não estarem nesta vida. Com certeza, o espírito de sua filha já tivera outras vidas e esta era a oportunidade escolhida por ela para libertar-se de dores atreladas ao seu espírito, por vivências mal vividas.

Compreendendo a lei de causa e efeito/ação e reação, que rege o universo e nossas vidas, compreendemos que Deus é: bondade, justiça e misericórdia, e nada nos acontece por acaso. Somos os construtores dos nossos destinos!


Por Dora Rodrigues

sábado, 12 de novembro de 2011

Criança também faz poesia



Mirela, minha neta, nasceu com a veia poética e muito cedo começou a escrever versos e estórias que irão compor um livro, que já está sendo preparado por seu pai, Jorge André. 

Já muito pequena, Mirela dizia: "sou pintora e desenhora", justificando as ilustrações que fazia para suas estórias.

Mirela escreveu seu primeiro livro - O papagaio que queria ser super-herói - aos seis anos de idade, todo ilustrado por ela. O livro já está sendo editado e será lançado em breve.

Poema de Mirela composto no dia 15 de janeiro de 2011

Luz da Estrada

"Na floresta escura,
No meio da alvorada,
Me encanto com os vagalumes,
Brilhando na estrada.

Sem começo nem fim,
Ida e volta,
Apenas um toque de luz,
Que me consola.

Sem destino a seguir,
Ou um rumo a tomar,
Apenas ouço,
A luz do luar.

Se está prestes a ir,
Ou a voltar,
Preste atenção,
Que a natureza tem muito o que ensinar.

No final de tudo,
Tomo uma conclusão,
Que nem tudo,
Foi em vão".

Mirela Rodrigues Machado

sábado, 5 de novembro de 2011

Música mensagem: Mais uma vez

Essa música dispensa qualquer comentário. A letra diz tudo o que deve ser dito à alguém que perdeu a esperança e que se sente desestimulado diante da vida. Principalmente, quando se vê cercada de pessoas pessimistas ou maldosas, que sentem prazer em tirar a alegria e a esperança das pessoas.

Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem.

Tem gente que está do mesmo lado que você
Mas deveria estar do lado de lá
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Tem gente enganando a gente
Veja a nossa vida como está
Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança!

Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem.

Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena
Acreditar no sonho que se tem
Ou que seus planos nunca vão dar certo
Ou que você nunca vai ser alguém
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança!

Renato Russo

Por que os fatos ruins marcam mais nossa vida?

Você não se lembra muito mais dos fatos ruins que marcaram sua vida do que dos bons? Isso acontece porque as coisas boas se harmonizam com a nossa natureza que também é boa e se dissolvem, integrando-se tão perfeitamente que nem as percebemos mais; enquanto as ruins, chocando-se com a nossa natureza, ficam nos incomodando e não conseguimos digeri-las.

 Para você entender melhor, faça esta experiência: encha um balde com água da torneira e em seguida acrescente um copo de água mineral. A água mineral ficará invisível, porque é da mesma natureza da água do balde. Assim acontece com os fatos bons de nossa vida: passam despercebidos por fazerem parte de nossa natureza.

Agora encha um outro balde de água e a ela acrescente óleo. Você verá que o óleo não se dissolve e ficará sempre visível no balde. O óleo não combina com a natureza da água, portanto eles não se integram um ao outro. Assim acontece com as coisas ruins de nossa vida: como não fazem parte de nossa natureza, causam-nos sofrimento.
Nosso estado natural é a felicidade. Nascemos para ser felizes, e tudo o que é infelicidade não nos pertence.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

O cemitério na visão de um menino de seis anos


Certa vez, em viagem à Fortaleza na companhia de um neto, à época com idade em torno de seis anos, passamos em frente a um cemitério na beira da estrada, repleto de túmulos que mais pareciam casinhas. O cenário chamou a atenção do menino que perguntou:


- Quem mora nessas casinhas?

A pergunta causou surpresa, pois, jamais havia imaginado tal cenário. Confesso que demorei um pouco a responder por não querer criar uma imagem que viesse a causar medo na criança. Fui criada com medo de cemitério, porque me foi dito que ali se reuniam almas do outro mundo. E, como não entendia bem o significado de “alma do outro mundo”, mas sabia que para muitas pessoas era assustador, passou a ser para mim também. Não queria que essa estória tivesse continuidade com meu neto, pois, já adquirira o conhecimento da doutrina espírita. Dessa forma, passei a informação sem amedronta-lo, apenas esclarecendo.


Seguimos viagem e aquela interrogação não saia da minha mente: “Quem mora nessas casinhas”?


Quantas vezes transitei por aquela estrada sem sequer me dar conta da existência daquele cemitério, mas aquele dia foi diferente. Fiquei a imaginar o porquê de se construir moradas para os mortos, muitas até bem luxuosas, mas que não são visitadas habitualmente. Apenas uma vez no ano é que os familiares se preocupavam em verificar o estado em que se encontravam essas residências e algumas reformas são feitas, para receber os visitantes no dia de finados.


E fiquei a pensar, e quando chegar a minha hora, como será? Claro que não quero ser transportada para a cidade dos mortos, o meu corpo sim, pode seguir sua destinação, mas eu, espírito imortal, vou estar livre em algum lugar.

Eu que nunca gostei de cemitério e que jamais marcaria um encontro com familiares nesse lugar, também não gostaria de receber qualquer homenagem nesse dia, nesse lugar. E já tratei de resolver a situação com familiares esclarecendo que, após minha partida, com certeza teria a permissão de visitar meu lar e que, nesse dia em que os ausentes (prefiro chamar assim), recebem um convite especial dos familiares, que eu fosse convidada a visitar o meu lar. Gostaria de ver minha família reunida e para alegrar o ambiente, a música que pudesse relembrar nossos momentos. E que assim acontecesse em outras datas e não só dia de finados. Enfim, não gostaria de ser esquecida por meus familiares e nem impedida de visita-los.


Quantos familiares que adentram seus lares saudosos, que abraçam seus familiares e apenas conseguem registrar o sentimento de saudade. Se tivessemos a consciência de que nos momentos de intensa saudade poderíamos estar diante de nosso seres queridos, aproveitaríamos o momento para retribuir o abraço e externar a nossa saudade.

Creio na imortalidade da alma e que as afeições prosseguem além da morte.
A morte é apenas um até logo com reencontro na vida espiritual.

domingo, 30 de outubro de 2011

Música mensagem: Eu me amo


Sempre gostei da mensagem desta música e olha que ela não é muito atual. No entanto, se adequa muito bem aos dias de hoje, quando tantas pessoas deixaram de perceber o ser humano maravilhoso que é. 

Quantas pessoas que já nem se olham no espelho, porque não suportam sua própria imagem. Não era isso que eu queria ver, dizem alguns, insatisfeitos com o corpo, o cabelo, a cor e até mesmo com as espinhas e cravos da pele.


A mídia nos mostra a todo instante, homens e mulheres belíssimos, corpos perfeitos, sucesso absoluto. Passamos a admirar esses modelos como se eles, sim, fossem tudo e nós, nada. Daí pra infelicidade um passo; queremos mudar um pouco aqui e ali (saudável) e daqui a pouco essa mudança se torna obsessiva porque queremos mudar tudo em nós. Como diz a música "Sempre correndo atrás de mim feito um louco tentando sair desse meu sufoco".


Um dia descobrimos que nada disso traz felicidade, pois a felicidade está onde a pomos, mas nunca a pomos onde nós estamos. "Eu era tudo que eu podia querer, era tão simples e eu custei prá aprender".


Um dia descobrimos que não existe ninguém igual a nós, somos únicos, somos especiais! Não precisamos copiar nada, nem ninguém. É quando começa o despertar do ser: começamos a perceber o que verdadeiramente nos faz feliz e aí a felicidade vem.


Pra mim, essa música diz tudo!


Eu Me Amo
Ultraje a rigor


Há tanto tempo eu vinha me procurando
Quanto tempo faz, já nem lembro mais
Sempre correndo atrás de mim feito um louco
Tentando sair desse meu sufoco

Eu era tudo que eu podia querer
Era tão simples e eu custei prá aprender
Daqui prá frente nova vida eu terei
Sempre a meu lado bem feliz eu serei


Eu me amo, eu me amo
Não posso mais viver sem mim


Como foi bom eu ter aparecido
Nessa minha vida já um tanto sofrida
Já não sabia mais o que fazer
Prá eu gostar de mim, me aceitar assim

Eu que queria tanto ter alguém
Agora eu sei sem mim eu não sou ninguém
Longe de mim nada mais faz sentido
Prá toda vida eu quero estar comigo


Eu me amo, eu me amo
Não posso mais viver sem mim


Foi tão difícil prá eu me encontrar
É muito fácil um grande amor acabar, mas
Eu vou lutar por esse amor até o fim
Não vou mais deixar eu fugir de mim

Agora eu tenho uma razão pra viver
Agora eu posso até gostar de você
Completamente eu vou poder me entregar
É bem melhor você sabendo se amar


sábado, 29 de outubro de 2011

Você já disse: "Desta água nunca beberei?"


Você já usou essa frase e, quando menos esperava, viu-se com o copo na mão, bebendo da água sobre a qual havia dito que jamais beberia? Pois é, acontece com muita freqüência. Pensamos: "Jamais farei tal coisa" ... e acabamos por fazê-la. Isso acontece porque, ainda na infância, ao passarmos por alguma situação negativa com nossos pais, educadores ou alguma pessoa de nossa convivência, prometemos a nós mesmos nunca mais repetí-las. Ou, ao viver-mos com nossos pais circunstâncias de agressão, cobrança ou comparação, afirmamos que, quando crescermos, nunca iremos agir da mesma maneira com nossos filhos. Fazemos propósitos como este: "Eu nunca falarei agressivamente com meu filho!"; ou: "Não cobrarei tanto, serei mais amigo, escutarei mais..."

Essas situações que lhe causaram tanta mágoa na infância estão todas registradas em seu inconsciente, esperando o momento oportuno para a revanche. E, quando já na idade adulta você se encontra em situações parecidas com aquelas que viveu na infância, pronto: o inconsciente age segundo seu registro, e você faz exatamente aquilo que tanto recriminou! Para que isso não aconteça, é necessário dar três passo:
  • tomar consciência daquilo que as pessoas fizeram com você, procurando compreender e perdoar, afastando de si o sentimento de revolta e inconformismo;
  • ter vontade de construir sua história de um modo diferente, rejeitando o sentimento de autopiedade;
  • desenvolver ações em sua vida, procurando realizar uma coisa nova a cada dia, por pequena que seja.
Assim você estará construindo uma história diferente da que viveu na infância com seus pais ou educadores, e a água que outrotra você reconheceu que não deveria beber, não passará pela sua garganta.
 
Para você poder dizer: "Desta água não beberei", é preciso dar três passos, envolvendo consciência, vontade e ação.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Um alerta sobre a Natureza e o Planeta

Considero este vídeo de Michael Jackson como uma das mais belas produções sobre o abuso do homem contra a natureza.

Não cabe comentário e sim ser visto. É um grito de alerta da Natureza! 

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Música mensagem: Resto do Mundo

A música "Resto do Mundo" me surpreendeu! Sempre achei que a favela era a última escala social humana. De repente, Gabriel revela um desejo surpreendente de um ser humano que se coloca como sendo 'o resto do mundo', e que tem como sonho morar numa favela. Também consegue de forma incomum, retratar a realidade de um morador de rua, suas dificuldades, seu isolamento e acima de tudo, o quanto é ignorado pela sociedade. 

Eu já ouvi falar de inúmeros sonhos, mas morar numa favela...

O Clip a seguir foi produzido pelo professor Rogério Dias para uma aula de Sociologia. 

O Resto Do Mundo

Gabriel O Pensador

Eu queria morar numa favela
Eu queria morar numa favela
Eu queria morar numa favela
O meu sonho é morar numa favela
Eu me chamo de excluído como alguém me chamou
Mas pode me chamar do que quiser seu doutor
Eu não tenho nome
Eu não tenho identidade
Eu não tenho nem certeza se eu sou gente de verdade
Eu não tenho nada
Mas gostaria de ter
Aproveita seu doutor e dá um trocado pra eu comer...
Eu gostaria de ter um pingo de orgulho
Mas isso é impossível pra quem come o entulho
Misturado com os ratos e com as baratas
E com o papel higiênico usado
Nas latas de lixo
Eu vivo como um bicho ou pior que isso
Eu sou o resto
O resto do mundo
Eu sou mendigo um indigente um indigesto um vagabundo
Eu sou... Eu não sou ninguém
Eu to com fome
Tenho que me alimentar
Eu posso não ter nome, mas o estômago tá lá
Por isso eu tenho que ser cara-de-pau
Ou eu peço dinheiro ou fico aqui passando mal
Tenho que me rebaixar a esse ponto porque a necessidade é maior do que a moral
Eu sou sujo eu sou feio eu sou anti-social
Eu não posso aparecer na foto do cartão postal
Porque pro rico e pro turista eu sou poluição
Sei que sou um brasileiro
Mas eu não sou cidadão
Eu não tenho dignidade ou um teto pra morar
E o meu banheiro é a rua
E sem papel pra me limpar
Honra?
Não tenho
Eu já nasci sem ela
E o meu sonho é morar numa favela
Eu queria morar numa favela
Eu queria morar numa favela
Eu queria morar numa favela
O meu sonho é morar numa favela
A minha vida é um pesadelo e eu não consigo acordar
E eu não tenho perspectivas de sair do lugar
A minha sina é suportar viver abaixo do chão
E ser um resto solitário esquecido na multidão
Eu sou o resto
O resto do mundo
Eu sou mendigo um indigente um indigesto um vagabundo
Eu sou o resto do mundo
Eu não sou ninguém
Eu não sou nada
Eu não sou gente
Eu sou o resto do mundo
Eu sou mendigo um indigente um indigesto um vagabundo
Eu sou o resto
Eu não sou ninguém
Frustração
É o resumo do meu ser
Eu sou filho da miséria e o meu castigo é viver
Eu vejo gente nascendo com a vida ganha e eu não tenho uma chance
Deus, me diga por quê?
Eu sei que a maioria do Brasil é pobre
Mas eu não chego a ser pobre eu sou podre!
Um fracassado
Mas não fui eu que fracassei
Porque eu não pude tentar
Então que culpa eu terei
Quando eu me revoltar quebrar queimar matar
Não tenho nada a perder
Meu dia vai chegar
Será que vai chagar?
Mas por enquanto
Eu sou o resto
O resto do mundo
Eu sou mendigo um indigente um indigesto um vagabundo
Eu sou o resto do mundo
Eu não sou ninguém
Eu não sou nada
Eu não sou gente
Eu sou o resto do mundo
Eu sou mendigo um indigente um indigesto um vagabundo
Eu sou o resto
Eu não sou ninguém
Eu não sou registrado
Eu não sou batizado
Eu não sou civilizado
Eu não sou filho do Senhor
Eu não sou computador
Eu não sou consultado
Eu não sou vacinado
Contribuinte eu não sou
Eu não sou comemorado
Eu não sou considerado
Eu não sou empregado
Eu não sou consumidor
Eu não sou amado
Eu não sou respeitado
Eu não sou perdoado
Mas também sou pecador
Eu não sou representado por ninguém
Eu não sou apresentado pra ninguém
Eu não sou convidado de ninguém
E eu não posso ser visitado por ninguém
Além da minha triste sobrevivência eu tento entender a razão da minha existência
Por que que eu nasci?
Por que eu to aqui?
Um penetra no inferno sem lugar pra fugir
Vivo na solidão mas não tenho privacidade
E não conheço a sensação de ter um lar de verdade
Eu sei que eu não tenho ninguém pra dividir o barraco comigo
Mas eu queria morar numa favela, amigo
Eu queria morar numa favela
Eu queria morar numa favela
Eu queria morar numa favela
O meu sonho é morar numa favela.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

O que você faria se soubesse que iria morrer hoje?


Conta-se que Francisco de Assis, notável missionário cristão da Idade Média, estava tratando de seu jardim, quando um amigo se aproximou, perguntando-lhe: – Francisco, o que você faria se soubesse que iria morrer hoje?


Ao que ele teria respondido, com a maior naturalidade: – Continuaria a fazer o que estou fazendo: cuidando do meu jardim!


E nós, como reagiríamos se soubessemos que esse é o nosso último dia de vida na Terra?


Pensando nessa passagem fiz um pequeno teste em mim mesma. Qual seria a minha reação diante dessa constatação e o resultado foi assustador. Dei-me conta de que nunca tinha parado para pensar seriamente nessa questão de vida e de morte, embora saiba que como todo ser humano habitante da Terra, o meu dia chegará.


É claro que eu largaria, imediatamente, o que estava a fazer para tentar resolver coisas pendentes como, algo que precisava ser feito ou dito. Porque assim é a nossa vida, vamos deixando pra depois, questões extremamente importantes.


Quantas pessoas que ao sentirem que chegou a hora final, anseiam por dizer coisas que ficaram guardadas para si e que se libertam ao abrir o coração para revelar um segredo ou pedir perdão.


Estranhamente, não dedicamos nem um pouco do nosso tempo para pensar nesse momento tão importante de nossas vidas, que é quando teremos que abandonar (a contragosto), tudo o que mais amamos: família, bens materiais, amores...


A tranquilidade de Francisco de Assis encontra-se na intimidade do ser, que compreende o que deve fazer para viver em plenitude aqui na Terra, não temendo o momento nem suas consequências, por consciência do dever cumprido.


Assim pensava e vivia, Francisco de Assis!


terça-feira, 18 de outubro de 2011

Ponte ou muro?


Você faz das situações de sua vida ponte ou muro?

O mesmo material que você utiliza para construir um muro, pode ser empregado para construir uma ponte. A diferença está na posição em que vocè vai colocá-lo, vertical ou horizontal.

A mesma situação que lhe causa sofrimento pode ser utilizada para você se isolar do mundo ou para entendê-lo melhor.

Quando diante do sofrimento você rumina tristeza, mágoa, medo e raiva, o que faz é construir uma barreira entre você e os outros. Quanto mais o tempo passa, mais essa barreira cresce e mais prisioneiro você se torna de seus próprios sentimentos.
Se diante da mesma situação, em vez de continuar sofrendo, você procurar entender a utilidade da perda, da decepção, da frustração, essa situação funcionará como uma ponte entre você e o outro, fazendo de você uma pessoa mais compreensiva.
Pense nas vantagens e nas desvantagens de construir um muro ou uma ponte entre você e as pessoas que estão à sua volta. Os tijolos são os mesmos, isto é, as situações podem ser as mesmas, mas é você quem vai decidir o que construir com elas.
Muros limitam. Pontes permitem ultrapassar barreiras.

domingo, 16 de outubro de 2011

Mutantes: mensagem de Deepak Chopra


Recebi este slide e estou disponibilizando na minha coluna, por considerar a sua mensagem de extrema importância. O seu autor é um renomado médico que também é escritor e conhece profundamente a alma humana. Trata-se de Deepak Chopra. Indiano, formado em Medicina pela Universidade de Nova Deli. Especialista em Endocrinologia, chefiou a equipe do New England Memorial Hospital. Em 1985, fundou a Associação Americana de Medicina Védica. Em 1993 muda-se para S. Diego e abre o "The Chopra Center For Well Being", onde desenvolve os seus próprios programas e cursos para o desenvolvimento pessoal.

Deepak Chopra é autor de mais de 25 livros de auto-ajuda, traduzidos em 35 línguas, tais como "A Cura Quântica", "As Sete Leis Espirituais Do Sucesso", "Criando Saúde", incluíndo cinco programas para a televisão pública dos EUA e proponente de outras idéias místicas. Sua proposta de auto-ajuda é centrada na afirmação com pretensão de profundidade de que "se compreendermos a nossa verdadeira natureza e soubermos viver em harmonia com as leis naturais, a sensação de bem-estar, de entusiasmo pela vida e a abundância material surgirão facilmente".


Em 1999, a revista Time incluía-o na sua lista das 100 personalidades do século, chamando-lhe "poeta e profeta das medicinas alternativas".  
Fonte: Wikipédia

 

Deepak Chopra alega que "usando conscientemente nossas percepções, podemos influenciar a maneira pela qual envelhecemos biologicamente. . . . Você pode dizer ao seu corpo para não envelhecer." 


Ele tem feito milhões de dólares comercializando estas mensagens junto a livros, palestras, vídeos e mercadorias baseados na versão "moderna" de um antigo sistema de tratamento indiano (medicina ayurvedica)

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Software para a sua vida


Cliente: Alô... é do Setor de "Atendimento ao Cliente"???

Atendente: Boa tarde Senhora. Em que lhe posso ser útil?

Cliente: Recebi o seu programa AMOR, mas até agora não consegui instalar. Eu não sou técnica no assunto, mas acho que posso instalar com a sua ajuda. O que eu devo fazer primeiro?

Atendente: O primeiro passo é abrir o seu CORAÇÃO. A senhora encontrou seu CORAÇÃO?

Cliente: Sim, encontrei. Mas há diversos programas funcionando agora. Tem algum problema em instalar o AMOR enquanto outros programas estão funcionando?

Atendente: Que programas estão funcionando, senhora?


Cliente: Deixe-me ver... Eu tenho BAIXA ESTIMA.EXE, RESSENTIMENTO.COM, ODIO.EXE e RANCOR.EXE funcionando agora.

Atendente:  Nenhum problema. O AMOR apagará automaticamente RANCOR.EXE de seu sistema operacional atual. Pode ficar em sua memória permanente, mas não vai causar problemas por muito tempo para outros programas. O AMOR vai reescrever BAIXA ESTIMA.EXE em uma versão melhor, chamada AUTO ESTIMA.EXE. Entretanto, a senhora tem que desligar completamente o ODIO.EXE e RESSENTIMENTO.COM. A senhora pode desligá-los?


Cliente: Eu não sei como desligá-los. Você pode me dizer como?

Atendente: Com prazer! Vá ao Menu e clique em PERDAO.EXE. Faça isso quantas vezes forem necessárias, até o ODIO.EXE e RESSENTIMENTO.COM serem apagados completamente.


Cliente: Ok! Terminei! O AMOR começou a instalar-se automaticamente. Isso é normal?

Atendente: Sim, é normal. A senhora deverá receber uma mensagem dizendo que reinstalará a vida de seu coração. A senhora tem essa mensagem?


Cliente: Sim, eu tenho. Está completamente instalado?

Atendente: Sim. Mas lembre-se: a senhora só tem o programa de modelo básico. A senhora precisa começar a se conectar com outros CORAÇÕES a fim de obter melhoramentos.


Cliente: Oh! Meu Deus! Eu já tenho uma mensagem de erro. Que devo fazer? 

Atendente: O que diz a mensagem?

Cliente: Diz: "ERRO 412 - O PROGRAMA NÃO FUNCIONA EM COMPONENTES INTERNOS". O que isso significa?

Atendente: Não se preocupe, senhora. Este é um problema comum. Significa que o programa do AMOR está ajustado para funcionar em CORAÇÕES externos, mas ainda não está funcionando em seu CORAÇÃO. É uma daquelas complicadas coisas de programação, mas em termos não-técnicos, significa que a senhora tem que "AMAR" sua própria máquina antes que possa amar outra.


Cliente: Então, o que devo fazer?

Atendente: A senhora pode achar o diretório chamado "AUTO ACEITAÇÃO"


Cliente: Sim, encontrei.

Atendente: Excelente! A senhora está ficando ótima nisso!


Cliente: Obrigada!

Atendente: De nada. Faça o seguinte: clique nos arquivos BONDADE.DOC, AUTO ESTIMA.TXT, VALORIZE-SE.TXT, PERDÃO.DOC e copie-os para o diretório "MEU CORAÇÃO". O sistema irá reescrever todos os arquivos em conflito e começará a consertar a programação defeituosa. Também a senhora precisa apagar AUTO CRITICA.EXE de todos os diretórios e depois esvazie a sua lixeira para certificar-se de que nunca voltem.


Cliente: Consegui! Meu CORAÇÃO está cheio de arquivos realmente puros! Eu tenho no meu monitor, agora, o SORRISO.MPG e está mostrando que PAZ.EXE, CONTENTAMENTO.COM e BONDADE.COM foram instalados automaticamente no meu CORAÇÃO.

Atendente: Então, terminamos! O AMOR está instalado e funcionando, Ah! Mais uma coisa antes de eu ir.


Cliente: Sim?

Atendente: O AMOR é um programa grátis.Faça o possível para distribuir uma cópia de seus vários modelos a quem a senhora encontrar e, dessa forma, a senhora receberá de volta dessas pessoas novos modelos verdadeiramente puros.O dono, inventor, criador desse Software se chama... Jesus!!! O preço foi devidamente pago por Ele na cruz do calvário, por ti e por mim.Tudo que você teve que fazer para receber, foi abrir o teu coração!!


Cliente: OBRIGADA PELA SUA AJUDA!Tenha Um Dia Muito Abençoado e Iluminado por Deus!!!

A canção dos homens


“Quando uma mulher, de certa tribo da África, sabe que está grávida, segue para a selva com outras mulheres e juntas rezam e meditam até que aparece a “canção da criança”.

Quando nasce a criança, a comunidade se junta e lhe cantam a sua canção. Logo, quando a criança começa sua educação,o povo se junta e lhe cantam sua canção. Quando se torna adulto, a gente se junta novamente e canta. Quando chega o momento do seu casamento a pessoa escuta a sua canção. 

Homenagem à Francisco de Assis no seu dia

Espírito de alta envergadura moral que amou a Deus, a humanidade e a natureza.

" Irmão céu, irmão sol, irmão lua, irmão lobo tu és meu irmão".

Música mensagem: Enquanto houver sol...


Precisamos acreditar que sempre haverá uma razão para continuarmos a viver. 

Por não acreditar na vida, em Deus, é que muitas pessoas desistem de viver e muitas vezes enveredam pela 'porta do suicídio'. 

Deixamos de valorizar as pequenas coisas que verdadeiramente nos trazem felicidade, para buscarmos o que está além das nossas possibilidades. Olhar em torno de nós, ver o sofrimento de pessoas que estão em verdadeira batalha pela vida, nos ajudaria a perceber o quanto temos. 

Quantas vezes, esquecemos que somos amados pela nossa família, pelos nossos amigos, para lembrar apenas que não somos amados por alguém. 

Deixamos que a sombra se instale em torno de nós, que a tristeza nos visite e passe a fazer parte da nossa vida, minando nossas forças e gerando quadros depressivos. 

A música 'Enquanto houver sol' no seu conteúdo nos fala de esperança e muito mais: nenhuma idéia vale uma vida

Todo dia o Criador nos acena com possibilidades imensas de superarmos dificuldades e vivermos melhor. 

Despertemos para a vida. Retomemos a luta. A felicidade nos aguarda em um ponto onde ainda precisamos chegar.

Enquanto houver sol...






Enquanto Houver Sol

Titãs


Quando não houver saída
Quando não houver mais solução
Ainda há de haver saída
Nenhuma idéia vale uma vida...

Quando não houver esperança
Quando não restar nem ilusão
Ainda há de haver esperança
Em cada um de nós
Algo de uma criança...

Enquanto houver sol
Enquanto houver sol
Ainda haverá
Enquanto houver sol
Enquanto houver sol...

Quando não houver caminho
Mesmo sem amor, sem direção
A sós ninguém está sozinho
É caminhando
Que se faz o caminho...

Quando não houver desejo
Quando não restar nem mesmo dor
Ainda há de haver desejo
Em cada um de nós
Aonde Deus colocou...
Enquanto houver sol
Enquanto houver sol
Ainda haverá
Enquanto houver sol
Enquanto houver sol...

Doutrina Espírita é convidada a participar da cerimônia de colação de grau de Técnicos em Saúde Bucal


O Colégio Êxito realizou na noite deste sábado (24), a colação de grau de Técnicos em Saúde Bucal e fomos convidados à participar de um culto ecumênico que terminou por contar apenas com a representação da Doutrina Espírita.

Honrados pelo convite e por levar a Doutrina Espírita aos salões de comemoração de momento tão especial na vida das pessoas, elaboramos um vídeo com a mensagem do CD Momento Espírita, intitulada - O Valor do Sorriso - já que o trabalho dos técnicos em saúde bucal está diretamente ligado a estética do sorriso. Em seguida, falamos um pouco da visão da espiritualidade em relação ao progresso, principalmente na área da saúde, onde o profissional que com amor realiza seu trabalho, recebe o amparo do alto, por ser considerado um colaborar direto da divindade em favor da humanidade.

A Melancolia

Imagem: reqqiem.blogspot.com

Sabeis por que, às vezes, uma vaga tristeza se apodera dos vossos corações e vos leva a considerar amarga a vida? 

É que vosso Espírito, aspirando à felicidade e à liberdade, se esgota jungido ao corpo que lhe serve de prisão, em vãos esforços para sair dele.    
E.S.E – Cap. V

A melancolia se assemelha a depressão, com o diferencial de que, na melancolia a tristeza se instala repentinamente e sem causa aparente. A depressão sempre surge em decorrência da perda, decepções ou doença prolongada.

No livro - Triunfo Pessoal – psicografia de Divaldo Pereira Franco, Joanna de Ângelis diz que a melancolia se caracteriza por uma insatisfação do ser em relação a si mesmo. Os seus desejos e prazeres, porque não atendidos, convertem-se em melancolia, que se expressa em forma de desinteresse pela vida em fuga espetacular do mundo que considera hostil, por lhe não haver atendido as exigências.

A melancolia é um estado d'alma de difícil definição, porque se manifesta nas profundezas do sentimento. Nada nessa existência justifica o estado melancólico. Tudo pode estar bem em relação a saúde, trabalho, família e o ser se sentir melancólico, saudoso, de algo que não sabe explicar.

Fatos, situações, pessoas, música, perfume são indutores dessas incursões inconscientes no passado e, conforme tenha sido a experiência, será o sentimento.

Viajores que somos da Eternidade, carregamos as marcas das experiências vividas nas várias existências.

Temos acumulado inúmeras experiências nas névoas dos séculos, em estâncias onde nossas almas estagiaram, e aprendido invariavelmente que só repararíamos nossos desacertos e equívocos perante a vida através do binômio “dor-castigo”.

Lembrai-vos de que, durante o vosso degredo na Terra, tendes de desempenhar uma missão de que não suspeitais, quer dedicando-vos à vossa família, quer cumprindo as diversas obrigações que Deus vos confiou.

Se, no curso desse degredo-provação, exonerando-vos dos vossos encargos, sobre vós desabarem os cuidados, as inquietações  e tribulações, sede fortes e corajosos para os suportar. 

O momento presente é o ideal para o nosso progresso, e nós só podemos “sentir o aqui e o agora”, pois tentar sentir o ontem é “ressentir".

Ficamos retidos a idéias e conceitos que nos foram válidos em determinadas épocas de nossa vida; atualmente, porém, é preciso renovação e libertação dos ranços do pretérito em favor de um presente atuante e vantajoso.

Nosso principal objetivo é progredir espiritualmente e, ao mesmo tempo, tomar consciência de que os momentos felizes ou infelizes de nossa vida são o resultado direto de atitudes distorcidas ou não, vivenciadas ao longo do nosso caminho.

Uma catarse bem orientada eliminará da consciência a culpa e abrirá espaços para a instalação do otimismo, da auto-estima, graças aos quais os valores reais do ser emergem, convidando-o à valorização de si mesmo.

Somos também natureza; possuímos as estações da alegria, do entusiasmo, da moderação e do desânimo, assim como as da primavera, do verão, do outono e do inverno.     

Alegria e tristeza são nossos companheiros de viagem, estão sempre nos ensinando algo na caminhada evolucional.

Quando nos percebermos mergulhados em melancolia, devemos fazer esforços para mudar o clima psíquico, através da leitura edificante de uma prece, da companhia de alguém que nos ajude a sair dela.

Nos momentos de depressão, quando inconscientemente mergulhamos no passado, Espíritos infelizes ou antigos comparsas podem tentar nos envolver nas mesmas teias dos equívocos por nós cometidos anteriormente, levando-nos a estados de difícil retorno.

Expulse a melancolia da sua alma fazendo luz íntima. Acenda a lâmpada do Evangelho na sua mente.


Palestra realizada no Centro Espírita Chico Xavier, dia 20 de setembro de 2011

Bibliografia:
O Evangelho Segundo o Espiritismo
Triunfo pessoal  - Espírito Joanna de Ângelis pelo médium Divaldo Pereira Franco
As dores da alma – Espírito Hammed pelo médium Francisco do Espírito Santo Neto
Os prazeres da alma - Espírito Hammed pelo médium Francisco do Espírito Santo Neto
Momento Espírita

Sabedoria: um dos prazeres da Alma

O sábio, por ter plena consciência da impossibilidade de possuir o conhecimento absoluto, reconhece com humildade as muitas coisas que ignora, não incorrendo na presunção de tudo saber ou conhecer. Aliás, o orgulho inibe a compreensão de tudo aquilo que se alcança com humildade.


A pessoa sábia não se opõe à ação da Natureza, mas entra em sintonia e atua juntamente com ela. "Todas as leis da Natureza são leis divinas, porque Deus é o Autor de todas as coisas." 

Quando desprezamos nossa fonte de sabedoria interior (propriedade inata de todos nós), rejeitamos parte importante de nossa realidade interna, porquanto as leis de Deus estão escritas na consciência.2 A expressão consciência, aqui utilizada pelos Guias da Humanidade, tem a mesma significação de Espírito, pois, se as leis divinas estivessem simplesmente na área consciencial do ego - sensações, percepções, emoções e motivações -, não teríamos maiores dificuldades de compreendê-las ou aplicá-las. Ao ignorarmos o potencial em nossa intimidade, nosso campo de visão existencial fica obscuro e distorcido e não conseguimos nos firmar perante a existência.


O sábio tem plena certeza de que é soberano e escravo do próprio destino; senhor supremo de seus atos e prisioneiro de seus efeitos compulsórios.


Os grandes educadores da humanidade são considerados homens de sabedoria. São eles que caminham à frente no tempo e no espaço, revelando-nos capacidades e habilidades ocultas, que sempre existiram dentro de nós. À custa de muito trabalho e enormes sacrifícios, os "pioneiros sapienciais" utilizavam como eixo principal de suas lições a importância do reino interior, ensinando-nos com notável propriedade que "o mundo a ser desvendado está no âmago da criatura", que o "divino está no humano", uma vez que tudo que há em nós é sagrado. Por essa razão, hoje entendemos perfeitamente as palavras de Jesus Cristo: "O Reino de Deus está no meio de vós".


A partir disso, compreendemos que o modo de ensinar de todos os grandes mestres baseava-se fundamentalmente na educação como método de percepção e, ao mesmo tempo, de desenvolvimento dos talentos inatos - a vocação peculiar e espontânea existente dentro do próprio homem. O verbo educar vem do latim educare e significa "ação de lançar para fora, colocar à mostra, tirar de dentro".


Educar não é obrigar ou constranger alguém a aprender por meio de força ou pressão moral, mas exprimir e liberar a potencialidade do ser. Também não é imprimir, porém fazer brotar ou emergir os dons subjacentes. Menos ainda seria formar, impondo uma fôrma; ao contrário, seria desentranhar do mais fundo da criatura o seu próprio modo de ser.


A conquista da sabedoria proporciona aos homens flexibilidade suficiente para que não mantenham a mente fechada a novas informações e não vivam dentro de regras e padrões sociais rígidos.


Os sábios entendem que o bom senso, unido a uma consciência reflexiva voltada para o "conhecimento original", deve anteceder a toda decisão, opção ou solução.


Eles não deixam que instruções, classificações e análises acumuladas no decurso dos tempos sufoquem a "sabedoria primitiva" contida na própria alma. A propósito, as regras injustas da sociedade e as religiões fundamentalistas, presas a modelos rigorosos e a severos padrões de pensamento, funcionam como autênticos entraves à sabedoria interior.


Os sábios aprenderam que, muitas vezes, os "procedimentos e hábitos" de uma época repercutem de tal forma sobre as pessoas, que elas passam a vê-los, primeiramente, como "normas ou regras sociais"; depois, ao longo dos séculos, como "valores e condutas morais", chegando, por fim, ao ponto de considerá-los como "leis ou ordens divinas".


O Criador não estabeleceu leis que, em outras épocas, Ele próprio teria proibido. Seria bom lembrarmos que as concepções e idéias sofrem interferência dos fatores tempo e espaço. As pessoas diferem em seus conceitos sobre os costumes - modo de pensar e agir característico de indivíduo, grupo social, povo, nação —, porque eles são constantemente reavaliados e renovados através do tempo e das sociedades humanas.


"Deus não pode se enganar. Os homens é que são obrigados a mudar suas leis, porque são imperfeitas. As leis de Deus são perfeitas. A harmonia que rege o universo material e o universo moral está fundada sobre as leis que Deus estabeleceu para toda a eternidade".


As leis elitistas são transitórias porque foram criadas pelo prestígio de um grupo social ou pelo domínio de um povo ou nação em determinada época. Todavia, são constantes e imutáveis "as leis que Deus estabeleceu para toda a eternidade".


Ter sabedoria consiste em possuir uma "leitura de mundo voltada para o senso íntimo — capacidade de receber informações sobre as mudanças no meio (externo ou interno) e de a elas interagir, exprimindo atos e atitudes únicos e originais.


Cada indivíduo possui um canal sapiencial que pode entrar em sintonia com a fonte abundante da sabedoria universal. sábio tem a capacidade de se autogovernar, uma vez que, a penetrar na essência das coisas, analisa-as e sintetiza-as se prejulgamentos, utilizando somente a própria coerência e a autenticidade provenientes de seu reino interior.


Livro - Os Prazeres da Alma

Francisco do Espírito Santo Neto pelo Espírito Hammed