Iguatemi

Iguatemi

terça-feira, 26 de junho de 2012

Estamos ganhando a batalha contra a LEUCEMIA


A TV Cidade Verde levou ao ar na manhã desta terça-feira (26), no Jornal da Manhã, matéria esclarededora sobre a leucemia, doença que acomete em sua maioria crianças de 2 a 4 anos. 

Minha filha, Andréia Rodrigues Reis e seu esposo Emmanuel Rocha Reis, foram convidados à participar do quadro, juntamente com a pequena Emmanuely que, ainda, se encontra em tratamento em Teresina, em virtude de ter sido diagnosticada com leucemia.

Fiquei feliz com a forma como a entrevista foi conduzida, pois, revelou um aspecto positivo do tratamento da leucemia, o que, com certeza, trará esperança a todos que se deparam com a doença instalada na vida de seus pequeninos.

Até bem pouco tempo, o diagnóstico da leucemia acarretava desespero nas famílias, em virtude de não existir tratamento que trouxesse resultados tão positivos. Na atualidade, segundo nos informou a Drª Gildene (médica responsável pelo tratamento da Manú), 80% dos casos de leucemia em criança são curáveis. Acredito que os 20% são em decorrência do diagnóstico tardio.

A leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si, que afetam a produção de glóbulos brancos. Ela é um mal que surge muito no período da infância. Para se ter uma idéia, o problema correspode a aproximadamente, 30% dos casos de câncer em crianças. As leucemias são classificadas em agudas e crônicas. A incidência na população é de um para cada 25 mil indivíduos do grupo etário de 0 a 14 anos de idade.

Veja no video, informações que ajudam a diagnosticar a doença em seu início. 

Quando tudo for PEDRA... Atire a primeira FLOR


Quando tudo parecer caminhar errado, seja você a tentar o primeiro passo certo.
Se tudo parecer escuro, se nada puder ser visto acenda você a primeira luz.
Traga para a treva você primeiro a pequena lâmpada.
Quando todos estiverem chorando, tente você o primeiro sorriso.
Talvez não na forma de lábios sorridentes, mas na de um coração que compreenda e de braços que confortem.
Se a vida inteira for um imenso não, não pare você na busca do primeiro sim, ao qual tudo de positivo deverá acontecer.
Quando ninguém souber coisa alguma e você souber um pouquinho, seja o primeiro a ensinar.
Começando por aprender você mesmo, corrigindo-se a si mesmo.
Quando alguém estiver angustiado, a procura nem se sabe de que, consulte bem o que se passa.
Talvez seja em busca de você que este seu irmão esteja.
Daí, portanto, você deve ser o primeiro a aparecer, o primeiro a mostrar que pode ser o único e mais sério ainda talvez o último.
Quando a terra estiver seca que sua mão seja primeira a regá-la.
Quando a flor sufocar no espinho, que sua mão seja primeira a separar o joio, a arrancar a praga, a afagar a pétala, a acariciar a flor.
Se a porta estiver fechada venha de você a primeira chave.
Se o vento soprar frio, que o calor de sua lareira, seja a primeira proteção e o primeiro abrigo.
Se o pão for apenas massa e não estiver cozido, seja você o primeiro forno para transformá-lo em alimento.
Não atire a primeira pedra em quem erra.
Nem por outro lado, aplauda o erro.
Ofereça sua mão primeiro para levantar quem caiu.
Sua atenção primeiro para aquele que foi esquecido.
Quando tudo for espinho atire a primeira flor.
Seja você o primeiro para aquele que não tem ninguém.
Seja o primeiro a mostrar que há caminho de volta.
Que o auxílio possibilita, que o entendimento reconstrói.
Compreendendo que o perdão regenera, que a compreensão edifica,
Atire você, quando tudo for pedra, a primeira e decisiva Flor...

(Autor Desconhecido)

terça-feira, 19 de junho de 2012

Bendita Dor


Vivemos na Terra a existência necessária ao crescimento do Espírito imortal que somos. A luta que nos chega é um mecanismo que nos ensina e edifica.
Em certos momentos da nossa caminhada, encontramos algum tipo de sofrimento, independente da posição social que ocupamos, do poder econômico ou do grau de evolução moral no qual nos encontramos.
Mas, poucos temos consciência de que as dores bem suportadas nos conduzirão ao reino de Deus.
Não que devamos ansiar por tristezas nem desconfortos, pois a felicidade é sempre desejada. Contudo, se Deus nos enviar para a luta, não desanimemos, agradeçamos e sigamos em frente.
Aceitemos o problema que nos chega com uma atitude corajosa para enfrentá-lo, nos tornando capazes de buscar a sua solução. Essa é a resignação dinâmica que Deus espera que tenhamos.
Diante do sofrimento, a resignação pelo amor é uma virtude que devemos desenvolver em nós. Ela é o resultado da confiança em Deus, acrescida à coragem para a luta.
A dor provoca em nós uma ação misericordiosa e se soubermos observar o nosso íntimo, veremos que ela nos educa e nos impulsiona ao aperfeiçoamento.
Embora os problemas, muitas vezes, nos pareçam desafiadores e insolúveis, não coloquemos sobre o olhar o peso da tristeza. Busquemos revestirmo-nos de ânimo e tranquilidade.
A dor física é, em geral, um aviso da natureza. Ela nos alerta que algo não vai bem em nosso corpo e que alguma providência deverá ser tomada no sentido de buscar um tratamento ou modificar um hábito não salutar.
Saibamos ver a dor que se apresenta, de forma leve e construtiva. Não nos fixemos nela como se fosse o foco principal de nossas vidas.
As dores no mundo assumem a importância e adquirem o valor que nós lhes atribuímos.
Uma grave doença pode ser encarada como uma bênção, se vivida por um Espírito confiante em Deus, pois esse irá  considerá-la como um elemento purificador.
De outro modo, algum leve incomôdo pode ser considerado um verdadeiro infortúnio, se vivenciado por uma alma que vive distante da sintonia com as Leis Divinas.
Agradeçamos ao Pai que nos envia a dor e façamos dela oportunidade de redenção. Bendito será o dia em que aprendermos a amar as dores que nos chegam.
Todas as criaturas de Deus estão destinadas à glória, mas somente serão completamente felizes quando alcançarem a perfeição.
Por isso pôs Deus, nesta terra de aprendizagem, ao lado das alegrias raras e fugitivas, dores frequentes e prolongadas, para nos fazer sentir que o nosso mundo é um lugar de passagem e não o ponto de chegada.
Gozos e sofrimentos, prazeres e dores, tudo isto Deus distribuiu na existência como um grande artista que, na tela, combina a sombra e a luz para produzir uma obra prima.

Redação do Momento Espírita, com pensamentos finais do cap. XXVI,
do livro
O problema do ser, do destino e da dor, de Léon Denis, ed. Feb.
Em 14.06.2012.