Iguatemi

Iguatemi

domingo, 28 de outubro de 2012

Meus quadros em tapeçaria



Há poucos dias, falei aqui no blog, da minha paixão pelo crochê que ficara esquecido no tempo e que, despertou após mais de 20 anos voltando a fazer parte das minhas tarefas diárias.

Sempre fui muito ligada a habilidades manuais, gosto de costurar, já fiz muitos bordados à máquina quando trabalhava com enxovais infantis e a tapeçaria também fez parte desse leque de trabalhos manuais. Digo, fez parte, porque as últimas peças que fiz em tapeçaria já vão completar 30 anos. Durante o período da minha última gravidez, confeccionei três quadros que ainda hoje adornam as paredes da minha residência. Muitos outros foram confeccionados e é possível, que ainda existam no lar de alguém.

Os trabalhos manuais auxiliam na concentração e no relaxamento. Também fazem com que nosso cérebro se mantenha em constante atividade. Nesses dias de agitação e estresse, seria interessante incluir em nossas atividades um trabalho manual que nos dê prazer. 


Sinto que o retorno do crochê em minhas atividades diárias é como se fosse uma faxina cerebral, uma limpeza em minha mente. Enquanto estou concentrada nele, esqueço tudo o mais. 


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

O Rio de Janeiro continua lindo



Aproveitando que iria participar da 5ª Seculus Show, rodada de negócios do setor relojoeiro do qual faço parte, antecipamos a viagem para visitar o Rio de Janeiro e conhecer alguns cartões postais da cidade.
Na conexão realizada em Brasília, pegamos um taxi na tentativa de visitar o Palácio do Planalto, o que não foi possível, mediante a longa fila para visitação e só dispúnhamos de algumas horas. Aproveitamos para fazer um registro de nossa passagem pela capital federal.
Chegamos ao Rio de Janeiro no final da tarde, em tempo de fazer uma visita ao Museu e o Forte de Copacabana.
Apesar do forte contraste entre a selva de pedra e as favelas, a beleza do Rio de Janeiro é incontestável e única. Não pude deixar de refletir sobre a grandeza da criação, do alto do Cristo Redentor, com o Rio de Janeiro a seus pés. Um espetáculo de rara beleza!
Visitamos em seguida o sambódromo, parada para fotografar com as fantasias de carnaval e a Catedral do Rio de Janeiro, além dos Arcos da Lapa e outros belos pontos da cidade.  

Seguimos então para Angra dos Reis, onde participamos do maior evento relojoeiro realizado pela Seculus da Amazônia, da qual somos cliente. Acompanhada pela minha filha Aleuda e neta Alícia, desfrutamos de toda programação que incluiu, peça teatral e festa, além das atividades de lazer promovidas pelo hotel Meliã para os lojistas.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

O segundo Dia da Criança da vida de Emmanuely foi comemorado no Hospital São Marcos


Por estar internada, no Dia das Crianças deste ano de 2012, Emmanuely participou juntamente com o papai Emmanuel, a mamãe Andréia e o maninho Arthur da festa organizada pelo Hospital São Marcos, para as crianças em tratamento. Uma festa completa, que contou com a presença das crianças e seus familiares, voluntários e profissionais do Hospital São Marcos. A Emmanuely foi presenteada com uma linda boneca e o Arthur com um carrinho.

Apesar da situação das crianças, que se encontram em tratamento de leucemia, o clima foi de muita descontração e alegria.

Parabéns à equipe organizadora da festa, por pensar com tanto carinho nessas crianças.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Sou do tempo da geladeira consignada

Escolher um eletrodoméstico nas diversas lojas espalhadas pela cidade ou internet, já é uma prática comum. Mas, não foi sempre assim.

Vasculhando o passado, lembrei que a primeira gelada que adentrou à nossa residência foi dada em consignação. Explico: Á época, o uso da geladeira não era muito popular, era de uso de classes mais abastadas. Inovando no ramo de eletrodomésticos, o Sr. Antonio Gondim Sampaio, proprietário de uma loja de eletrodomésticos em nossa cidade, chegou certo dia em nossa residência trazendo na carroceria de sua caminhonete uma geladeira novinha em folha para que fosse utilizada por um período, sob a alegação de que, se não gostassemos, poderíamos devolvê-la. Passou todas as instruções de como utilizá-la com alimentos e líquidos. Lembro que até as garrafas para colocar água vinham de brinde. Meus pais relutaram, mas, foram convencidos a ficar. O resultado não foi outro, compra na certa. Não dava mais pra ficar sem uma geladeira em casa.


Modelo mais próximo que encontrei na internet
Outro objeto de extrema importância para o conforto do lar foi a compra de um fogão a gás. Dois botijões vieram de brinde e cheios. Hoje, botijão e registro são comprados a parte.
Antes dele, o fogão utilizado era a lenha. Esmaltado, com quatro bocas, todo desenhado. O problema era a sujeira na cozinha e o trabalho para limpar tudo ao redor, pois, o vento espalhava cinza por todo lado. Eu achava o modelo do fogão a coisa mais linda e por muito tempo quis adquirir um, apenas como relíquia.



Modelo igual ao nosso, mudando apenas os desenhos
Com a modernidade e as facilidades, estamos sempre em busca do que é top de linha e estamos descartando cada vez mais rápido os objetos adquiridos. 
Confesso que tenho saudade do tempo em que as coisas eram mais difíceis de ser adquiridas. Elas davam um prazer maior ao serem conquistadas e tínhamos mais zelo em preservá-las.


quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Seriados que curti na infância

Com a proximidade do Dia das Crianças, as pessoas estão trocando a imagem de seu perfil no Facebook, por desenhos animados ou personagens infantis que marcaram época. Pensando em qual seria o personagem que escolheria para colocar no meu perfil, não pude evitar de voltar no tempo e relembrar as séries que marcaram a minha infância. 
Vários seriados atrairam a minha atenção, mas, dentre eles, Perdidos no Espaço, Jeannie é um Gênio e a Feiticeira, foram os mais assistidos. Até mesmo porque, uma dificuldade se apresentava, não tínhamos televisão em casa. Àquela época (1969), o sinal de televisão em minha cidade, Juazeiro do Norte, era recente e, só quem tinha televisão em casa eram as pessoas de melhores condições financeiras. Somente na Copa de 70 é que meu pai comprou um aparelho de televisão, o que favoreceu não só a nós como a quase que a rua inteira. Por ocasião dos jogos da copa, a casa ficava repleta de pessoas e até nas calçadas, tentando assistir pela janela. 

Da mesma forma, antes que a nossa TV fosse adquirida, eu fugia de casa nos dias dos seriados de minha preferência, e ia para a Rua da Glória, em Juazeiro do Norte, na casa da amiga Fátima, percorrendo uma distância equivalente a distância da prefeitura de Parnaíba  Praça da Graça, façanha que sempre me custava surras ou castigos, pois, os seriados terminavam por volta de 18:30h e meu pai não perdoava essas fugas.
Depois, com a aquisição da nossa TV Colorado RQ, 24 polegadas, preto e branco é que pude assistir outros também de minha preferência, como: Daniel Boone, Daktari, James West, Zorro e outros que já nem lembro, creio que por não terem sido tão importantes.
A internet nos permite rever um pouco desses momentos que divido com vocês.

A série Jeannie é um Gênio
O então Capitão Anthony Nelson, piloto da Força Aérea Americana e depois astronauta da NASA, cai acidentalmente numa ilha, onde encontra uma misteriosa garrafa. Ao abri-la, descobre que a mesma era a morada de uma moça chamada Jeannie, que é um gênio das histórias das Mil e Uma Noites, com incríveis poderes e que o chama de "amo". O piloto a liberta, mas a moça se apaixona por ele e o acompanha até sua casa nos Estados Unidos, onde passa a tumultuar a vida do pobre homem. Wikipédia.  

A Feiticeira
Samantha e James seriam um típico casal americano se não houvesse um detalhe inusitado: Samantha tem o poder de fazer mágica com uma simples torcidinha do nariz. E o marido James, um publicitário atrapalhado, também tem características incomuns, apesar de não ter nenhum poder excepcional. Quando descobre os dons da jovem esposa prefere ignorá-los, sem jamais contar com eles na solução dos seus problemas. Ele segue trabalhando duro, levando bronca do chefe, sem pedir ajuda a sua bruxinha particular. Já Samantha, fiel a sua origem, está sempre tentada a usar todos os seus poderes, para facilitar a vida do casal.
James se irrita com as magias da mulher e principalmente com as interferências de Endora, que além de sogra é uma terrível bruxa, sempre importunando a vida do casal. Eles tem dois filhos, a esperta bruxinha Tabatha, que segue os passos da mãe na magia e Adam, o filho mortal. Wikipédia.
 
Perdidos no Espaço
A história do seriado se passa no futuro. Em 16 de outubro de 1997, a espaçonave Júpiter 2 está em contagem regressiva para ser lançada ao espaço com a família Robinson, que tentará colonizar um planeta em Alfa Centauri, projeto que resolveria o problema da superpopulação da Terra.
Participavam também da expedição, além do Professor John Robinson, sua esposa Maureen Robinson, e seus filhos, Judy, Will e Penny, o Major Don West que era o piloto da nave Jupiter 2 (no episódio-piloto a nave chama-se Gemini 12 — alusão ao projeto Gemini, do programa espacial norte-americano).
Um espião estrangeiro infiltrado sabota a missão, levando-os a ficar perdidos no espaço. No entanto, este espião-sabotador acaba preso na nave com a família Robinson. Ele é o Doutor Zachary Smith. Wikipédia.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Mais toalhas de crochê

Pois é, dizem que mente desocupada é oficina do diabo. Assim, enquanto descanso, faço crochê. O resultado é que confeccionei algumas toalhas a mais que as duas iniciais, conforme consta em post anterior e, já estou fazendo algumas para presentear minhas filhas.

Os modelos encontrei em blogs com lindas peças e o resultado surgiu em poucos dias.

Essa toalha em fio, na cor cru, fiz para uma mesa grande que tenho no terraço.


Para a mesa de vidro da sala, essa amarela e vinho também em fio.



Essa com estrelas e carinha de anjo nas bordas, eu fiz pra minha filha Gelma.


Em breve, mais post de crochê, pois ainda está na fila as filhas Alessandra e Andréia.