Iguatemi

Iguatemi

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Chove, chuva


Ao contrário do meu tempo de infância em que tinha medo de chuva, por causa dos trovões e relâmpagos, hoje, adoro quando começa o inverno. É o tempo de se agasalhar na dormida, comer comida quentinha e esquentar a água do banho. Prefiro as noites de chuva mansa, em que a gente perde o horário ao amanhecer por pensar que ainda seja madrugada.

É verdade que, pra muita gente a chuva é um transtorno: a água invade a casa, a roupa não seca e o deslocamento fica difícil, mas, ai de nós se não chover. O transtorno é bem maior, sobe o preço de tudo e não teremos à mesa o feijão, o milho verde e tantos outros alimentos. Os rios começam a secar, o gado morre e a esperança de dias melhores se vai. Até que venha o próximo inverno, em que pedimos a Deus seja chuvoso e bom.

A chuva produz verdadeiros milagres na natureza, uma paisagem seca e triste, torna-se verde e bela com apenas uma chuvinha. Os jardins se embelezam sem que lhe seja dado nenhum trato. E as crianças: "Mãe, posso tomar banho na chuva?" E tudo vira festa.

Por essa razão, hoje a tarde enquanto chovia, fiquei a observar a Praça da Graça, cartão postal do meu local de trabalho, onde, apesar da chuva, as pessoas transitavam tranquilamente, como se não importassem com a chuva. Não resisti e fiz algumas imagens, mas, também filmei, pois, as imagens são cenas vivas daquilo que desejo mostrar.

A natureza tem seus encantos que precisamos observar, pois, também somos natureza.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Avaliação

Uma situação ocorrida na família relacionada a saúde, que começou com o indicativo de certa gravidade e, graças a Deus, terminou tudo bem, me fez lembrar essa mensagem que divido com vocês.

Sim, devemos agradecer sempre aos que nos sustentam aqui na Terra e no plano espiritual.



Avaliação
 
         Quando tiveres superado graves problemas de relacionamento no grupo das pessoas queridas, não te detenhas na lembrança das aflições e lágrimas que, porventura, tenhas trazido por dentro do próprio coração. Pensa no concurso recebido de benfeitores da Vida Maior que te escoraram, na travessia de inesperadas perturbações.

         Quando saíste desse ou daquele acidente, sem calamidades fatais, não te fixes na recordação das fases difíceis de semelhante acontecimento. Reflete no auxílio dos Enviados do Bem que conseguiram colocar-te a salvo de conseqüências a lamentar.

         Quando venceste lutas e tentações que te situavam às portas da insanidade ou do suicídio, não te demores na rememoração dos fatos que te impeliam a enganos e alucinações. Medita na dedicação dos Amigos Espirituais, domiciliados em Plano Superior, que te evitaram a queda nos despenhadeiros da sombra.

         Quando varaste o tratamento da saúde comprometida por enfermidade complexa, não te cristalizes na idéia de doença e sofrimento. Imagina a generosidade dos Mensageiros da Luz que te reduziram as crises orgânicas, sem que disso te apercebesses, socorrendo-te, tanto na assistência médica como também no carinho daqueles que te rodeiam, a fim de que se te alongue a existência na Terra, com a oportunidade de trabalhar. Ainda mesmo nas provas que consideres claramente infelizes, não te craves em pensamentos de tristeza ou desânimo. 

         Avalia as bênçãos que te ficam no balanço de quaisquer ocorrências e agradece o saldo dos recursos e vantagens com que a Misericórdia Divina te favorece, na certeza de que os Emissários dos Céus te ajudarão a reconhecer que Deus, em qualquer situação e em qualquer tempo, faz, por nós todos, o que seja melhor.

 
 
 Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Meimei

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Não se faz 56 anos todo dia



Segundo os registros de minha mãe, hoje, 15 de abril, estou completando 55 anos que vim a este mundo. Mas, uma situação bem interessante alterou minha idade. Foi por ocasião do meu casamento. Eu tinha apenas 15 anos quando me casei e a escrivã do cartório na cidade de Juazeiro do Norte, achou por bem acrescentar um ano na minha idade, alegando que o juiz não faria o casamento com aquela idade. Dessa forma, envelheci um ano já no dia do casamento. O que é certo, é que considero a data do meu nascimento a que passou a constar na certidão de casamento civil: 56 anos.

Nasci em Juazeiro do Norte, por acaso, (acaso?). Meus pais haviam saído da cidade de Icó no Ceará, com destino a Brasília, cidade que se encontrava em construção. Talvez por não haver calculado com precisão o tempo de gestação, nasci no Hotel São Pedro, localizado na Rua São Pedro, em Juazeiro do Norte, terra do Padim Padre Cicero. Com esse feito, a viagem a Brasília foi interrompida e a família fincou raízes por ali mesmo.

Vivi em Juazeiro de 1958 até 1973 quando me casei e fui embora para o Maranhão, onde tive duas filhas: Gelma e Andréia. Fato narrado em outro poster desse blog. Em outro momento, quando retornei do Maranhão, nasceu outras duas filhas Alessandra e Aleuda. 

Não foi uma vida digna de registro na história mundial, mas, para mim, muitos fatos aconteceram que me tornaram o ser humano que hoje sou. Com uma família maravilhosa, que vivencia valores morais e espirituais e que, acima de tudo, se ama.

Diante de Deus, não sei se cumpri parte da tarefa a mim designada, mas sei, que todas as oportunidades ele tem me proporcionado para que eu cresça a cada dia, interiormente e, por isso, sou grata. Assim como, agradeço pelos seres que colocou em meu caminho e que fazem parte dessa jornada: uns mais próximos, outros mais distantes, mas todos muito queridos ao meu coração. Minhas filhas que trouxeram os netos e genros, minha mãe, irmãs, sobrinhos e o amigo Heli que começou junto comigo essa história.

Por isso, nesse dia, quero agradecer a Deus por ter me permitido ser feliz e pelo amparo recebido em todos os momentos de minha vida.

sábado, 13 de abril de 2013

De volta ao trabalho de divulgação da Doutrina Espírita



A partir do mês de maio, estarei retomando as atividades de palestras conforme realizei no ano de 2012, em várias casas espíritas de Teresina e na Federação Espírita Piauiense.


Em virtude do tratamento da minha netinha Manu, que exige a nossa presença durante dois dias na capital, me encontro impossibilitada de assumir qualquer compromisso durante a semana, razão porque, estou retomando pelo final de semana e, no sábado e domingo (4 e 5 de maio) estarei realizando a seguinte programação em Teresina:
 

4 de maio – Sábado – Seminário: O Passe- Aspectos Importantes - no Centro Espírita Irmão Adriano, das 8h30min às 11h30min.


5 de maio – Domingo – Seminário – As Dores da Alma – Sest–Senat das 8:30h às 12:30h

As dores da alma e  a reforma íntima – Dora Rodrigues
As dores da alma e a reencarnação – Bernardo Pinto

As dores da alma e a Psicoterapia Espírita – Kátia Marabuco

(Evento realizado pela AME - Associação Médico Espírita do Piauí em prol da Pomada Vovô Pedro)


5 de maio – Domingo – Palestra: Maternidade, Projeto Divino - com enfoque na questão do aborto na Federação Espírita Piauiense às 18:00h

Dessa forma, reafirmo o compromisso de trabalhar em prol da divulgação da Doutrina Espírita não só em Parnaíba, mas, também, nos diversos núcleos espíritas onde for convidada.