Iguatemi

Iguatemi

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Um ano de tratamento de Emmanuely

Dia 16 de maio completou um ano que Emmanuely foi diagnosticada com leucemia e que iniciou tratamento no Hospital São Marcos. Graças a Misericórdia Divina, Emmanuely venceu todas as etapas de seu tratamento até aqui e após um ano, escrevo esse post para agradecer as preces e a torcida pela sua saúde. 
O tratamento ainda não terminou, semanalmente, Emmanuely tem que estar em Teresina recebendo a medicação de manutenção e faz exames de acompanhamento. 

Já perdemos a conta de quantas viagens fizemos à Teresina depois que esse processo teve início e não sabemos quando vai ter fim. O mais importante é que a Manú está muito bem de saúde. Nem mesmo as viroses que a atingiram e que causaram susto na família e na médica que a assiste, conseguiram fazer com que seu estado retrocedesse. O que nos faz acreditar que estamos no caminho certo e que o organismo da Manú está mais forte e resistente. 

Apesar de tanto tempo em tratamento, a Manú ainda não acostumou. Nesta quarta-feira quando a enfermeira chegou com a injeção e perguntou: Quem é Emmanuely Rodrigues Reis, imediatamente ela apontou pra uma coleguinha tentando fugir da enfermeira. E após receber a injeção, ao sair da sala disse que a enfermeira era do mal. 


Creio que ainda teremos uns dois anos de idas e vindas semanais à Teresina, pois o tratamento assim exige, mas, estamos confiantes e esperançosos de que ao final, Emmanuely estará livre da leucemia. 

Esperamos, sinceramente, que esse post leve esperança aos familiares das crianças que estão iniciando o tratamento, para que tenham a certeza de que a cura é possível sim. E que não devemos perder a esperança ou desistir da luta. Emmanuely é o nosso exemplo!

domingo, 12 de maio de 2013

Como me tornei mãe


Tudo começou com a minha mãe Maria do Socorro, que me permitiu vir ao mundo...


O que me possibilitou a vinda das minhas quatro filhas: Gelma, Andréia, Alessandra e Aleuda.

Que também se tornaram mães, trazendo ao mundo Sabrina, Lucas, Arthur e Emmanuele (Andréia), Glauber (Gelma), Bruna, Mirela e Giovana (Alessandra) e Alícia (Aleuda).

Formando, assim, essa maravilhosa família que Deus nos permitiu aqui na Terra.

Tudo porque um dia, alguém assumiu a maternidade com amor.

Feliz Dia das Mães para todas as mães que, com amor, recebem seus filhos, seja em seu ventre, seja pelas portas do coração.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Final de semana de trabalho na divulgação da Doutrina Espírita




Muito gratificante esse final de semana em que pude partilhar com companheiros do movimento espírita de Teresina, atividades diversas de divulgação da Doutrina Espírita.



No sábado pela manhã, participei de uma roda de conversa sobre “O Passe” no Centro Espírita Irmão Adriano, com os companheiros coordenadores das atividades daquela casa. Uma troca de experiência enriquecedora.

No domingo pela manhã (5), participamos no Sest-Senat do seminário “As Dores da Alma”, realizado pela Associação Médico-espírita do Piauí – AME, para arrecadar fundos destinados a Pomada Vovô Pedro. 

A programação foi realizada inicialmente com a palestra do psicólogo Bernardo Pinto com o tema: As Dores da Alma e a Reencarnação.

Na sequência realizamos a palestra: As Dores da Alma e a Reforma Íntima.



A Drª Kátia Marabuco encerrou a programação com o tema: As Dores da Alma e as Psicoterapias. 


Na noite do domingo, realizamos na Federação Espírita Piauiense a palestra “Maternidade – Projeto Divino”. 


Segundo Allan Kardec, no Projeto de 1868, "Dois ou três meses do ano seriam consagrados a fazer viagens para visitar os diferentes centros e lhes imprimir uma boa direção".


Seguindo essa diretriz é que me propus visitar e conhecer as instituições que me convidam, oportunidade em que ocorre uma enriquecedora troca de experiência, no que diz respeito ao trabalho na casa espírita e alargamos nosso círculo de amizades. 

Em breve, retornaremos à Teresina na tarefa de divulgação da Doutrina Espírita.

Fotos de Gelia Gentil e Egilda Marques

quarta-feira, 1 de maio de 2013

O Trabalho


Depois um operário lhe disse: Fala-nos do Trabalho.

E ele respondeu, dizendo:
Vós trabalhais para poder manter a paz com a terra e a alma da terra.

Pois ser ocioso é tornar-se estranho às estações e ficar afastado da procissão da vida que marcha majestosamente e com orgulhosa submissão em direção ao infinito.

Quando trabalhais sois uma flauta através da qual o sussurro das horas se transforma em música.

Qual de vós quereria ser uma cana muda e silenciosa, quando tudo o resto canta em uníssono?

Sempre vos disseram que o trabalho é uma maldição e o labor um infortúnio.

Mas eu digo-vos que quando trabalhais estais a preencher um dos sonhos mais importantes da terra, que vos foi destinado quando esse sonho nasceu, e quando vos ligais ao trabalho estais verdadeiramente a amar a vida, e amar a vida através do trabalho é ter intimidade com o segredo mais secreto da vida.

Mas se na dor chamais ao nascimento uma provação e à manutenção da carne uma maldição gravada na vossa fronte, então vos digo que nada, exceto o suor na vossa fronte, apagará aquilo que está escrito.

Também vos foi dito que a vida é escuridão, e no vosso cansaço fazeis-vos eco de tudo o que os cansados vos disseram.

E eu digo que a vida é mesmo escuridão excepto quando existe necessidade, e toda a necessidade é cega exceto quando existe sabedoria.

E toda a sabedoria é vã exceto quando existe trabalho, e todo o trabalho é vazio exceto se houver amor; e quando trabalhais com amor estais a ligar-vos a vós mesmos, e uns aos outros, e a Deus.

E o que é trabalhar com amor?

É tecer o pano com fios arrancados do vosso coração, como se os vossos bem amados fossem usar esse pano.

É construir uma casa com afeto, como se os vossos bem amados fossem viver nessa casa.

É semear sementes com ternura e fazer a colheita com alegria, como se os vossos bem amados fossem comer a fruta.

É dar a todas as coisas um sopro do vosso espírito, e saber que todos os abençoados defuntos estão à vossa volta a observar-vos.

Muitas vezes vos ouvi dizer, como se estivésseis a falar durante o sono, "Aquele que trabalha o mármore e encontra na pedra a forma da sua própria alma é mais nobre do que aquele que trabalha a terra.

E aquele que agarra o arco-íris para o colocar numa tela à semelhança do homem, é mais do que aquele que faz as sandálias para os nossos pés."

Mas eu digo, não no sono, mas no despertar, que o vento não fala mais documente com o carvalho gigante do que com a mais ínfima erva; e é grande aquele que, sozinho, transforma a voz do vento numa canção tornada doce pelo seu amor.

O trabalho é o amor tornado visível.

E se não sabeis trabalhar com amor mas com desagrado, é melhor deixardes o trabalho e sentar-vos à porta do templo a pedir esmola àqueles que trabalham com alegria.

Pois se fizerdes o pão com indiferença, estareis a fazer um pão tão amargo que só saciará metade da fome.

E se esmagardes as uvas de má vontade, essa má vontade contaminará o vinho com veneno.

E se cantardes como anjos mas não apreciardes os cânticos, estareis a ensurdecedor os ouvidos do homem às vozes do dia e às vozes da noite.

 


 


Do livro “O Profeta”