Iguatemi

Iguatemi

domingo, 28 de setembro de 2014

O estudo prossegue, agora sobre drogas e demais vícios


Estou estudando para uma atividade que realizarei com jovens, no mês de novembro sobre sexo e, dentre as obras que selecionei, o livro - O abismo provocado pelas drogas - me trouxe grande contribuição. Além do minucioso relato de uma jovem desencarnada, usuária de drogas, o livro apresenta inúmeros relatos psicografados não só de viciados em drogas, mas, também, em álcool, cigarro e sexo.

A adolescente Selma Reis, desencarnada, conta através da psicografia, como aos treze anos se envolveu com as drogas, a partir de um relacionamento com um usuário de drogas, que mudou completamente a sua vida. As amizades e os problemas que começaram a surgir em família, fizeram com que Selma abandonasse o convívio familiar, passando a conviver junto a traficantes até que, desencarna durante uma disputa pelo tráfico. 
Ao chegar no mundo espiritual, Selma continua no seu anseio desesperado pelo consumo da droga, até que é socorrida e passa a receber tratamento. 

Selma retorna através da mediunidade, para com seu relato, alertar os jovens sobre o perigoso convívio com usuários de drogas, que termina por envolver o jovem no consumo, fazendo com que sua vida deixe de ter qualquer significado que não seja a droga.


terça-feira, 23 de setembro de 2014

Berços Vazios - Um Caso de Desobsessão


Concluí o estudo da obra – Berços Vazios – Um Caso de Desobsessão, narrado por Luiz Gonzaga Pinheiro, espírita cearense, autor de várias obras espíritas e que, como doutrinador no grupo Bezerra de Menezes, fez um registro detalhado de um caso em que se encontrava envolvido um casal espírita e sua filha.

O relato é surpreendente e chocante. Revela a situação das organizações que se estruturam no mundo espiritual, onde espíritos que foram abortados se empenham em cobranças contra aquelas que tinham o dever de zelar pela sua segurança e profissionais que praticaram o ato assassino de tirar-lhes a vida. 
Revela, também, a situação de mulheres que abortaram por motivos diversos e que, levadas pela culpa e pelo ódio, se deixaram escravizar por organizações criminosas que as utilizam como vampiros que, acopladas a mulheres que não aceitam a gravidez, estimulam a prática do aborto.

O relato das ocorrências trabalhadas pela espiritualidade, engloba a assistência aos espíritos envolvidos com o casal e muitos outros que se encontram em situação de extrema necessidade e em condições de serem auxiliados, demonstrando a solicitude do Pai, para com as suas criaturas e o amor que se derrama das organizações espirituais a serviço da obra de reconstrução da humanidade encarnada e desencarnada.

A obra é de interesse dos que lidam em reuniões de desobsessão, palestras e grupos de estudo.

Sinopse

Espíritos altamente comprometidos com a prática do aborto delituoso sentem agora os reflexos de suas atitudes num passado repleto de crimes hediondos praticados contra seres sem a menor chance de defesa.

Reencarnados como pai, mãe e filha, os aborteiros em existência pregressa atravessam nessa encarnação imensas dificuldades. Sentindo-se injustiçados, e carregados de ódio, os abortados se acham no direito de fazer justiça com as próprias mãos.

Sob os cuidados da equipe mediúnica orientada pelo doutor Bezerra de Menezes, é feito o atendimento espiritual a essa família na tentativa de esclarecer aos espíritos perseguidores.

Durante esse processo é possível atender e resgatar do sofrimento intenso aqueles enfermos que já se encontram em condições de serem ajudados.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

O GRANDE ANÔNIMO



DEUS – que é isto?

DEUS - quem és tu?

Mil nomes te hei dado – e até hoje és para mim o grande anônimo...

Sei que és o Eterno, o Onipotente, o Onisciente. O infinitamente Bom e Formoso 


- mas sei também que és muito mais que tudo isto...

E, por seres indefinível, resolvi chamar-te simplesmente “o grande Anônimo”.

Assim, se não acerto em dizer o que és, pelo menos não digo o que não és.

Antes do princípio dos princípios, existias tu, o Eterno...

Paralelo a todos os tempos e espaços, existes tu, o Onipresente...

Tu és o único ser auto-existente por meio dos seres alo-existentes...

Tu és o único produtor não produzido, a causa única não causada, o único pai sem filiação...

Eu sou uma feliz exceção do Nada - tu és a mais veemente afirmação do Tudo.

Eu semi-existo - porque tu pleni-existes...

Eu existo, porque me deste o ser - tu és em virtude da tua própria essência.

Eu poderia não existir, e houve infinitas eternidades em que este átomo humano não existia - tu não podes deixar de ser; tu és com absoluta necessidade.

Contemplo a mim mesmo, e com imensa estupefação verifico que existo - quando era tão bem possível, e até muito mais verossímil, a minha não-existência.

Como é possível que eu exista - quando em torno de mim negrejam imensos abismos de inexistência?

Como foi que esta pequenina ilha do Ser emergiu do tenebroso oceano do Não-ser?

E como é que este minúsculo átomo de Algo ser equilibra nos ilimitados espaços do Nada?

Não me creasse, ó Eterno, o teu poder; não me sustentasse o teu amor - e é certo que o meu Ser nunca teria surgido da tétrica noite do Não-ser, ou nela teria recaído logo na alvorada da minha existência.

Por ti, o meu Nada se tornou Algo...

Por ti, a minha noite se tornou dia...

Por ti, o meu vácuo se fez plenitude...

Por isto, meu eterno e indefinível Anônimo, sinto-me feliz em integrar a pobre gotinha do meu pequenino Eu humano no mar imenso do teu grande Tu divino.

Eu quero fé - uma fé prodigiosa, capaz de encher integralmente os grandes vácuos que estão dentro do meu ser...

Eu quero alegria - muita alegria, para esconder sob a plenitude dela a amargura que encontro sempre no fundo das minhas taças...

Eu quero a tua graça - a graça inefável de guardar-te, por entre as sombras da vida, um amor vigilante e sereno que não tenha medo da tua cruz...

Eu quero a ti mesmo - ó Ser anônimo de mil nomes, porque sem ti me é insuportável o próprio Eu...





(De Alma para Alma, de Huberto Rohden)

sábado, 13 de setembro de 2014

A maior caridade que se pode fazer à Doutrina Espírita é a sua divulgação


Participei na manhã da última sexta-feira (12), de uma programação realizada no CEEP - Centro Estadual de Educação Profissional Ministro Petrônio Portela, visando o esclarecimento dos alunos sobre as diversas religiões. O projeto de autoria do prof. Júnior, foi elaborado em função da forte intolerância religiosa observada entre os alunos. 



A programação motivou os alunos que receberam representantes de diversas religiões e realizaram amostras sobre o tema. Como representante da Doutrina Espírita, fiz uma abordagem sobre - O que é o Espiritismo. 


Após a palestra, fui convidada a visitar as salas com as amostras preparadas pelos alunos. A minha surpresa foi, exatamente, naquela que retratava o Espiritismo. Sobre a mesa, foram colocadas velas em variadas cores, com nomes que se referiam a cada cor e figuras de vestimentas e aparatos utilizados em cerimônias. 



Imediatamente, contestei a apresentação, informando aos alunos que nada do que estava sendo apresentado, tinha qualquer relação com a doutrina espírita, conforme esclarecera em minha fala sobre a inexistência de vestimentas, símbolos e outros aparatos. Surpreso, um dos alunos me perguntou: E o que deveríamos ter colocado para nossa amostra sobre o Espiritismo? Ao que respondi: A codificação espírita e obras subsidiárias.


Percebi, naquele momento, a grande responsabilidade que detemos enquanto tarefeiros espíritas, na divulgação da doutrina espírita. Muitas pessoas rejeitam o Espiritismo, justamente, porque desconhecem o seu conteúdo. Uma vez que o tema é levado à discussão, surge então uma série de questionamentos e dúvidas que, no caso referido, tomaram mais tempo em perguntas do que o tempo da palestra.

Uma experiência gratificante!








sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Perda de pessoas amadas, mortes prematuras

Não poderia deixar de compartilhar com os amigos, essa maravilhosa mensagem, esclarecedora e consoladora, produzida com o propósito de confortar as famílias que perderam seus entes queridos prematuramente. Emocionante!

O filme é baseado na experiência pessoal do cineasta Marcelo Niess, e tem como objetivo principal levar uma mensagem de paz, conforto e esperança para aqueles que estão sofrendo com a perda de um ente querido. O slogan "Os laços de amor são eternos" é uma homenagem que o diretor faz à Zíbia Gasparetto, em agradecimento à obra "Laços Eternos", ditada pelo espírito Lucius. Esse livro "caiu" em suas mãos no momento em que não encontrava mais razões para continuar sua existência, salvando sua vida presente e evitando sofrimentos futuros.




OS LAÇOS DE AMOR SÃO ETERNOS. Se você acredita que o amor entre uma mãe e seu filho sobrevivem até mesmo à morte, ajude a levar essa mensagem de amor para as mães cujos filhos voltaram para junto de Deus antes delas. O ANJO foi produzido por um grupo de artistas espíritas de Blumenau-SC, com o propósito de levar uma mensagem de paz, conforto e esperança para as mães que estão sofrendo com a perda de um filho, e pessoas que perderam entes queridos.


Fonte: http://filmeoanjo.blogspot.com.br/

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Como lembrar dos sonhos

Quem não gostaria de lembrar o que andou sonhando? 

Acordamos no meio da noite, após um sonho que nos trouxe muitas emoções e queremos lembrá-lo ao acordar. No dia seguinte, conseguimos lembrar de episódios sem nexo e, tudo o que lembramos, é que sonhamos algo que não conseguimos lembrar. 



Vale a pena, dar uma olhada nas dicas do psicólogo espírita Adenáuer Novaes, no seu livro - Sonhos: Mensagens da Alma. Elas nos auxiliam a lembrar por inteiro o nosso sonho.

Para lembrar dos sonhos, deve-se observar as seguintes recomendações:

1. Associe seu ato de sonhar a um objeto visto todas as noites antes de dormir. Preferencialmente que esse objeto seja um caderno junto a uma caneta. Escreva neste caderno, na capa, “Caderno de Sonhos” e, quando um caderno acabar, compre outro e escreva a mesma coisa; 



2. Coloque-o em algum lugar que fique sempre visível, junto a um abajur, onde você normalmente dorme; não há nenhum problema que seu caderno de sonhos fique acessível a alguém, pois eles são tão indecifráveis para você quanto para outra pessoa. Salvo se seu conteúdo trouxer informações comprometedoras ou constrangedoras a alguém; 

3. Sempre que você acordar, ainda deitado, pergunte-se se teve algum sonho. Caso positivo, registre-o imediatamente no seu caderno de sonhos que deverá estar próximo. Não se esqueça de anotar o dia da ocorrência; 

4. Esteja sempre atento durante o dia para as ocorrências inusitadas. Elas são sinais que podem possibilitar conexões com sonhos anteriores, não lembrados ao acordar. Assim que você se lembrar de um sonho durante o dia, anote-o em um rascunho e depois passe para o caderno, registrando, nesse caso, o dia e o horário da lembrança; 

5. Antes de adormecer, já no leito, deseje sonhar com determinado assunto ou pessoa; evite pensar em problemas ou situações de conflito nas quais você esteja envolvido; afirme convictamente “sonharei e me lembrarei quando acordar”; 

6. Evite dormir cansado. Antes de dormir, no leito, faça exercícios respiratórios. Respire pelo menos cinco vezes de forma lenta e profunda, até não mais sentir a respiração. Acostume-se se banhar antes de ir para a cama. Frio ou quente, o banho relaxa e diminui a tensão; 

7. Acostume-se a contar seus sonhos a outras pessoas e busque sempre sua interpretação algumas horas depois de escrevê-los. Exercite constantemente esse hábito. Anote, nas páginas do caderno, após o registro do sonho, sua(s) interpretação(ões); 

8. Valorize cada sonho. Sua atenção a eles funciona como estímulo a novas produções. Não os trate como elementos excitadores da adivinhação ou fantasias inconsequentes nem estimuladores da cobiça; 

9. Trate dos seus sonhos como parte de seu mundo interior objetivo e de relevância para sua vida cotidiana. Eles são sinais proveitosos para sua individuação; 

10.Quando acordar procure, independente de lembrar ou não dos sonhos, perceber o que está sentindo, isto é, qual seu estado de espírito naquele momento ao despertar.

Se ainda assim você continuar tendo dificuldade em lembrar seus sonhos, faça a seguinte experiência durante uma semana:

1. Permaneça na cama alguns instantes ao acordar e tente lembrar de algum sonho; 


2. Caso não consiga lembrar de nada, procure verificar qual a emoção que você está sentindo naquele momento. Entre em contato com essa emoção; 


3. Se ainda assim você não conseguir, recapitule seu dia anterior, ainda na cama; 

4. Relembre um conflito que esteja ocupando sua mente nos últimos dias; 

5. Por último, antes de dormir e caso o passo anterior não lhe tenha trazido a lembrança de bons sonhos, visualize algo de bom com o qual deseje sonhar. Escolha algo de positivo e agradável; 

6. Persista no método até alcançar êxito.